segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Sobre a Vida em Outros Mundos


A EXOBIOLOGIA É A CIÊNCIA QUE ESTUDA A POSSIBILIDADE DA VIDA EM OUTROS MUNDOS. Com a descoberta de planetas em órbita de outras estrelas, não se pode deixar de imaginar sobre a possibilidade da existência de vida além do nosso sistema solar. Apesar de não ter sido encontrada ainda qualquer evidência de vida extra-planetária, e todo o conhecimento sobre organismos e processos biológicos estar limitado ao que se tem acesso na Terra, existe uma série de hipóteses e especulações que podem ser criadas para se tentar prever como a vida se desenvolveria e se adaptaria em outras esferas planetárias.

[Allan Kardec in nota à resposta da Q. 55 de O Livro dos Espíritos]

Deus povoou de seres vivos os mundos, concorrendo todos esses seres para o objetivo final da Providência. Acreditar que só os haja no planeta que habitamos fora duvida da sabedoria de Deus, que não fêz coisa alguma de inútil. Certo, a esses mundos há de ele ter dado uma destinação mais séria do que a de nos recrearmos a vista. Aliás nada há, nem na posição. nem no volume, nem na constituição física da Terra, que possa induzir à suposição de que ele goze do privilégio de ser habitada, com exclusão de tantos milhares de milhões de mundos semelhantes."

Precisamos responder a muitas perguntas antes de apresentarmos qualquer conclusão, negando ou aceitando, a existência de vida orgânica em um exoplaneta, por exemplo:

1- O que é necessário para uma estrela ter em sua órbita algum planeta capaz de abrigar a vida orgânica?

2- As condições, para existir vida em algum lugar do universo precisam ser, em qualquer planeta, as mesmas existentes na Terra?


3- Existe alguma forma de vida com base em alguma química desconhecida do homem?


4- Uma estrela tem vida?

Apresentaremos, a seguir, alguns fatos importantes na tentativa de respondermos uma a uma, cada questão proposta.




Diagrama Hertzsprung-Russell

A primeira condição, para que se possa considerar uma possibilidade, mínima que seja, de existência de algum planeta localizado em uma zona habitável, é que ele esteja na seqüência principal do diagrama HR.


Histograma do número de estrelas perto do Sol, por tipo. A distribuição de estrelas por massa na seqüência principal chama-se Função Inicial de Massa (IMF), e indica que para cada 300 estrelas de 1 massa solar existe somente uma com 10 massas solares [IMF~(M/MSol)-2,35, Edwin E. Salpeter. 1955, Astrophysical Journal, 121, 161].


Se a estrela não se encontra na seqüência principal não será suficientemente estável para possuir um sistema planetário, onde algum de seus componentes possa estar numa zona habitável. O diagrama Hertzsprung-Russel, ou de forma simplificada, diagrama HR mostra algumas relações gerais entre as estrelas e possíveis ciclos de queima que estariam ocorrendo em seus interiores. Na figura acima, a seqüência principal aparece indicada por V, é onde se encontra o nosso Sol (na faixa alaranjada), justamente a faixa que indica a presença das estrelas que queimam hidrogênio. Na faixa IV, as estrelas queimam hélio produzindo carbono e oxigênio. Capella encontra-se na seqüência III onde as gigantes amarelas esgotaram praticamente todo o hélio que tinham a queimar e já iniciam a queima do carbono, evoluindo rapidamente para a faixa II, das gigantes vermelhas.

Ainda é um desafio para os astrônomos o estudo da evolução estelar numa escala de milhões ou bilhões de anos, pois nossa vida útil na Terra não vai muito além de 50 anos. Com o diagrama HR podemos ter muitas respostas: basta observar todos os tipos de estrelas existentes em todas as suas fases evolutivas possíveis, e tais estrelas podem perfeitamente estar ajustadas no diagrama HR. Pesquisadores desenvolvem teorias sobre como são as peças do quebra-cabeça que, uma vez montado, justamente com as teorias físicas, poderá informar sobre a vida de uma estrela. Capella é uma estrela muito conhecida, principalmente pela sua localização e grandeza – está perfeitamente determinada no diagrama HR, onde não deixa qualquer dúvida sobre suas características mais relevantes. O diagrama HR e suas variações, serve para correlacionar e deduzir parâmetros estrelares que são, em geral, muito difíceis de serem obtidos diretamente.


Estrelas turbulentas, não estáveis, como Capella (Alpha Aurigae) e Betelgueuse, geralmente, despejam a grandes distâncias jatos de plasma a elevadas temperaturas. Inviabiliza qualquer forma de vida orgânica, mesmo porque a quantidade de Raio X seria mortal.

Dependendo do tamanho e da massa da estrela, jatos de plasmas podem ultrapassar em muito a distância de 200 UA e sua temperatura pode superar milhões de graus Kelvin, inviabilizando a existência de uma zona habitável.


Quando o combustível no núcleo de uma estrela termina, ela começa a morrer, saindo da seqüência principal, quando suas características voltam a se alterar. Em termos gerais, os estágios finais da evolução estelar podem ser mais tranquilos ou mais catastróficos, e isso vai depender crucialmente da mass das estrelas.

A massa estelar é um fator determinante para o fim. O tempo de vida t* de uma estrela na seqüência principal depende de quanta energia ela tem armazenada (sua massa M* ) e a taxa com que ela gasta essa energia (sua luminosidade L*). Esse tempo de vida pode ser expresso por t*=M*/L* . Podemos então estimar t* a partir da relação :


Sendo a relação massa-luminosidade dada por: (equação dada abaixo)





Desta forma, temos a equação abaixo:

Isso nos indica que estrelas de altas massas ficarão na seqüência principal por um curto período e as de baixa massas ficarão nela por um tempo muito maior. Exemplos de casos extremos são as estrelas do tipo O ou B que ficam nessa fase apenas algumas dezenas de milhões de anos, e as estrelas do tipo anãs vermelhas, que podem ficar alguns trilhões de anos tranquilamente queimando seu hidrogênio. As duas gigantes amarelas, que são as estrelas principais do sistema capelino, apesar de uma idade oito vezes menor que a do Sol, deixou a seqüência principal há muitos milhões de anos atrás.

25 comentários:

Thor Lumartha disse...

Devemos lembrar que o sistema de Capella é bastante complexo, não sendo constituído apenas pelas duas gigantes amarelas, mas tem também, orbitando essas, pelo menos mais duas estrelas vermelhas com uma vida na seqüência principal bastante longa. Não me recordo de que se tenha dito em algum lugar que o possível planeta dos habitantes de Capella esteja em órbita as estrelas principais do sistema.

Anônimo disse...

O livro dos Espíritos, base da doutrina espírita, não deixa dúvidas de que todos os corpos celestes são habitados. Porém, é preciso entender que existem infinitas formas de vida, apropriadas aos infinitos mundos e meios. Há vida no próprio sol, vida que, evidentemente, não necessita de água/oxigênio/feijão/etc. Quem estiver apegado à vida orgânica qual à nossa, deverá buscar o planeta gêmeo-univitelino da Terra em algum ponto do infinito.

Marcio N Amaral disse...

Excelente mais uma vez o artigo (que é uma vasta fonte de conhecimentos), contudo de uma visão antropocentrica. A biologia extraterrestre pode ser imperceptível aos padrões dos cinco sentidos humanóide. Vou fazer deste blog uma leitura periódica.

Marcio N Amaral
www.marcnamara.com
Diretor de Tecnologia da Simulação

Anônimo disse...

da mesma maneira há cientistas que atestam a inexistência de Deus. A ciência não domina tudo ainda...

Roberto Cícero Kfouri disse...

Albino sua exposição é dez.Pena que a maioria dos espíritas não conheça astronomia. Achei seu blog porque estou pesquisando para escrever um artigo correlacionando a explosão cultural do paleolítico superior com a suposta vinda dos "capelinos", e logo percebi que teria de discutir num artigo anterior as chances de existência de um planeta "terra-like" ao redor das gigantes Aa/Ab de Auriga. Daí descobri que você já escreveu o artigo!! Não sou astrônomo(sou psiquiatra)mas estudei astronomia o suficiente para entender bastante das tecnicalidades dos seus textos, e percebi logo seu domínio (animal) sobre o assunto. Pena que os espíritas que dão aulas em centros não sejam geralmente cientificamente bem formados ou estudiosos avançados de ciências. Gostaria de ter seu e-mail porque tenho perguntas específicas acerca do assunto e é meio chato escrever em janela de blog. Já estou recomendando seu blog para conhecidos espíritas: o povo precisa acordar do sono do conhecimento fácil. Mas você sabe que é complicado para a maioria: a explanação "técnica" demais e a "sugestão" tácita de que alguns médiuns transmitem-nos estórias mais do que história e verdade.meu email snq7@hotmail.com

Giba disse...

Qual é mesmo a distancia da terra a capella ? (em anos luz), todos esses fatores analizados spectralmente se referem as emissões que sairam de lá há quanto tempo mesmo ?

Luciano disse...

Para os espíritas, a vida não depende do organismo. Tanto que acreditamos nela na erraticidade (no mundo espiritual). Baseado nessa postulação, não haverá impedimento para que formas de vida ainda desconhecidas possam existir. Conhecemos a matéria que percebemos. Mas se entendêssemos bem a matéria como existe DE FATO, se nela soubéssemos a força das ações mentais e espirituais, entre outras, já não haveria dúvidas na Ciência - aliás, seríamos oniscientes e capazes de vencer a morte, as enfermidades e tantas vicissitudes. Tanto minha postura quanto a do autor se pautam em hipóteses não comprovadas, do meu lado, e em conhecimentos científicos ainda limitados, capazes de induzir a equívocos, de outro.

Giba disse...

Acredito que meu comentário tenha sido interpretado ao contrário, quando fiz aquele comentário com indagações quanto ao tempo e a distância da terra a capella, justamente estava me referindo as analises dos cientistas que dizem ser impossivel ou improvavel haver vida em capela, pois os dados são de observações atravéz de telescópios e analises expectrais que se referem devido a distância e a velocidade da luz a uma analise de um passado prá lá de distante, devido a isso fica impossivel de se afirmar que desde o último milhão de anos atráz até a presente data o planeta não tenha condições habitaveis de vida parecida com a da forma humana, ainda ressaltanto que exitem inumeras possibilidades de formas de vida baseada em outros compostos que não tenham como base o carbono como em nosso planeta.

Marcelo disse...

Achei muito interessante sua explicação em relação as estrelas, formação da vida,... tudo o que disse tem o fundamento "inquestionável" da ciência, porém devo lembrar que a análise foi feita baseada na vida orgânica, Kardec em o livro dos Espíritos cita que para haver o entendimento correto sobre a vida espiritual deve-se abrir a outros conhecimentos para que se possa começar a compreender... Como ele mesmo disse seria quase que pedir para um arquiteto falar sobre música. Você não deixa de estar certo dentro do seu ponto de vista, mas precisa estudar o espírito para compreender que ele não necessita de elementos para sobreviver, uma vez constituído em sua parte de energia, plasma, eletromagnetismo ...

Anônimo disse...

Assim como os espíritas precisam estudar mais a visão da ciência, que não é a única forma de ver o mundo, acredito que os bons amigos estudiosos precisam refletir sobre a pluralidade das existências que está na obra de Allan Kardec, além de ter a prudência de não desacreditar aqueles que buscam uma visão mais espiritualizada da vida, mantendo a esperança e o amor como princípios do existir. O materialismo até hoje só fez pessoas desgostarem da vida pois lhes falta motivação para viver, onde muitos entram em depressividade. Os livros de estórias, são iguais aos livros de história, pois são construções, narrativas, onde a verdade é encontrada a partir da visão de cada um. Pensar que os planetas não entram em rota de colisão!! Como pode isso? As pirâmides do Egito falam mais do que todos os livros de ciências e não podem ser explicadas!!! Pensem!!!

Eunápio disse...

Adorei o espaço para conhecimento e lembrei-me da Gênese (Allan Kardec), cap:IV/Papel da Ciência na Gênese onde no item 9 assevera:" A missão da ciência é descobrir as leis da Natureza; ora, como essas leis são obras de Deus, não podem ser contrárias às religiões fundadas sobre a verdade." E logo após assinala: " Se a religião recusa caminhar com a ciência, a ciência avança sozinha."
Ele afirma no cap:I, item 16 a complementaridade da ciência e do espiritismo e este afirma a existência do mundo espiritual, multidimensional. Não pode assim ser os capelinos de outros planos, sem ser esse o nosso? Rochester afirma em dois romances (o Planeta vermelho e No outro planeta) a existência de vida. E por falar em vida, que tipo de vida estamos explorando em Marte?
Em tempo: alguém já leu "a grande síntese" ou "Universo e vida"?
Abraços.

Anônimo disse...

acredito que quando se fala em vida fora da Terra, ou mesmo no sistema de capela, ou em qualquer outro onde não haja vida orgânica igual a da Terra, temos que considerar a vida no astral.

Dr Zin disse...

Muito bom esse artigo. É uma crítica construtiva baseada em observações científicas, por isso deveria ser bem recebida. Pensava justamente em comprar este livro, mas agora minha confiança agora ficou abalada. Não se pode dar vazão à fé cega, é preciso usar o crivo da sensatez, logica e observação cientifica. Seria bom todos os livros espíritas sofrerem essa análise antes de serem publicados. No mais, meus parabens.

Leonardo Fallaci disse...

Senhores, os segredos da nossa existência vão muito além do que o nosso olho físico pode ver e nossa mente conceber.
A vida extra terra pode ser (estou certo que é!) diferente da nossa, e ou invisível às nossas percepções, improváveis à nossa lógica.
O espiritismo difere das demais religiões, justamente pelos questionamentos e investigações, tais como a peregrinação de Kardec em busca do (até então) desconhecido. Más se não podemos entender algo, é pq ainda não nos foi autorizado pela espiritualidade, pois é lá que a tecnologia é criada, depois nos é repassada.
Não é nosso objetivo dilações ou questionamentos outros, entretanto, é fato que o espiritismo explica muitos fenômenos da “vida” inexplicáveis pelas várias religiões, que preferem afirmar “é assim, pq está escrito na bíblia!”. Contudo não espero convencer ninguém da verdade da doutrina espírita, mas aconselho a avaliarem as respostas da Doutrina.
A doutrina pra mim é muito óbvia, pois nasci espírita (em uma casa de católicos), sei coisas relacionadas ao espiritismo que não estudei (nesta vida). Contudo, sei que existem muitos sépticos que terão, sempre, argumentos contrários. É o livre arbítrio. Talvez só acreditemos naquilo que queremos acreditar, mas é importante lembrar que os que pensam que sabem, são inexoravelmente ultrapassados pelos que acham não saber, pois estes sempre procuram por conhecimentos enquanto aqueles permanecem inertes. Abraço.

Raimundo disse...

Bastante esclarecedor esse artigo. Confesso que devido a minha ignorância tinha a questão capelina como uma verdade. Agora, já não tenho essa certeza mas, mais perguntas. É possível afirmar que os conhecimentos de astrofísica do sistema de capela são definitivos? Até bem pouco tempo se dizia que não havia planetas fora do sistema solar e essa teoria não mais prevalece.Se dizia que não havia extraterrestres e agora até o vaticano se prepara para recebê-los. Podemos tomar esse artigo como a palavra final? Até pouco tempo o ser humano era o centro do universo, ainda é? Na terra vemos formas de vida existindo sob as mais severas condições, onde o ser humano não sobreviveria. Em outras partes do universo também não poderia haver? De qualquer forma, o artigo veio somar conhecimento. Obrigado e um grande abraço.
Raimundo R. Monteiro

Anônimo disse...

Quem garante que os métodos científicos utilizados pela ciência são confiáveis? Como pode um ser humano dizer que um planeta tem 1milhão ou 10 milhões de anos ? como?
Baseado em que? qual é a precisão disso? nossa tecnologia é um lixo e agente ainda está engatinhando. Somos apenas crianças diante da eternidade.
Quantos erros a ciência já não cometeu e voltou atrás?

Unknown disse...

Erros e mais erros na análise. Desculpe, foi um atrás do outro e foram todos bem abruptos. Eu dei risadas com um tal de "Roberto Cícero Kfouri", desculpe a ironia. Quem disse que Espíritas não sacam de astronomia? E outra, quem disse que espiritas ficam acreditando tudo como se fossem cegos? Que preconceito.

Pra começar, a maior bobeira de quem pensa que saca de astronomia, e tabelar ''terra-like". Titã e uma lua de um gigante gasoso completamente fora da zona habitável, e ainda sim tem chances de desenvolver vida em questão de milhões de anos em termos astronômicos, tempo relativamente curto. Eita orgulho, que cega o homem a séculos até que uma evidência apareça e ainda continuem tendo resistências mesmo assim.

Não gosto do Emmanuel, digo isso como espírita, mas a análise é uma tentativa razoável e me deixou pensando na decadência do espiritismo por via da internet. Quando eu leio livros do Emmanuel, sinto o mesmo desgosto portanto não irei defender ele mas não posso defender também a análise. Sim, titã pode daqui a alguns milhões de anos, ter seus primeiros sinais de vida em uma zona externa da referida na análise. Repito, nada provou nada. Nem o Emmanuel, nem a análise.

Com informações errôneas, que desculpem, ficou segurando na análise espectrográfica de corpos que nem sequer existem ou foram vistos no sistema de Capella, eu considero a análise uma falha. Tipo, ela começou como se alguém dissesse, "Veja que inteligente eu sou, fiz uma análise imparcial e justa sobre o assunto." Vamos lá...

Primeiro erro. "Capella" é um sistema solar na constelação de Auriga, é um sistema binário. Sério, eu nem li essa palavra na tal análise. Ou seja, constam nela dois sóis. No Wikipedia (ver em inglês por maior conteúdo) ficou claríssimo que não é possível saber quantos corpos planetários tem nela devido a implicâncias óbvias, que de antigas já criam teias. Capella foi o primeiro objeto astronômico a ser visualizado por um sistema interferômetro óptico pela "Cambridge Optical Aperture Synthesis Telescope" a última data dessa mesma análise foi em 1995.

Capella é simplesmente pertubada demais para sequer obter uma análise espectral por exemplo, se não com raio x. Um objeto que passar na frente da estrela, faria sombra em um ponto de observador mais propício. Não é o caso. Leia o Wikipedia. A apenas 210,000 em termo astronômico, ela era a estrela mais brilhante do céu.

O próprio conto do exílio parece datar de vários milênios atrás, vou chutar, uns 5. Se matematicamente Capella se afasta do ponto de observador cada vez mais por ano, imagine a diferença da situação atual. Mesmo que você tivesse lá na sua página uma análise perfeita de Capella, ela nem sequer atualizada seria.

Eu achei uma coisa vaga este seu texto. Eu não vi sequer uma única prova que desmentisse ou que colocasse em incógnito. Nem a favor, nem contra. Apenas vi uma aula sobre zona hábitavel que eu devo ter tido na sexta série.

O que me entristece, e ver o indivíduo dizer em alto e bom tom "OS EXILADOS NÃO VIERAM DE CAPELA" igual o Emmanuel faria. Quem é dono da verdade absoluta por via de demonstrações semi científicas? A análise pareceu mesmo com os livros dele. Como um astrofísico formado faria, usando do mesmo ato para provar ideias que talvez sejam até vãs. Não formulou algo útil, na minha opinião.

O esforço do autor acabou sendo um desserviço.

Tanara M.Guimaraes disse...

Gostaria de saber a verdade verdadeira sobre os exilados de capela.

Tanara M. Guimarães disse...

Gostaria de saber onde está a verdade. Se está com a ciencia ou com a religião.

Tanara M. Guimarães disse...

Não poderiam tais exilados terem vindo de outros mundos?

Anônimo disse...

E' um privilegio ler/observar a mente destes religiosos trabalhar. Eles se baseam simplesmente num livro mas esquecem quem o escreveu foi um ser humano e portamto esta cheio de erros, cheios de duvidas, cheio de tendencias nen sempre morais ou corretas. Nunca se viu nem nunca se provou qualquer existencia de outros seres e mais, como estes extremistas falam, que nos viemos de la, ja basta pra saber que isto e uma farsa pois la (constelacao do cocheiro) formou-se depois da vida na terra. E lamentavel que se acredite em papai noel e em coelhinho da pascoa. Se estes "palestrantes" tivessem pelo menos a capacidade de ler algo antes de sairem falando uma tonelada de bobagens, o mundo seria menos ruim. "A ignorancia de muitos contribui para a prosperidade de poucos" Autor desconhecido.

macacoloco disse...

Não pretendo afirmar a existência de vida em capela,mas observa lo com uma visão mais ampla.Se um alienígena observasse o sistema solar procurando por vida nos grandes planetas,e ao não encontra la desistiria,sem olhar nos "pedregulhos"próximos à estrela não seria uma boa pesquisa.Poderia montar um planeta capaz de resistir a radiação de grandes estrelas dotando-lhe de uma pesada atm de neônio(afinal este gás é muito mais abundante no universo que o nitrogênio)na qual o oxigênio estaria diluído na parte inferior desta,evitando assim a fotólise,e a consequente perda para o espaço.
Qualquer busca por vida em capela,deve ser direcionada para as anãs vermelhas que distam 1,7 trilhão de Km das principais.estrelas estas que possuem 0,4 e 0,1 da massa do sole ditam aproximadamente o equivalente a plutão do sol,se co-orbitando num período de 388 anos.
este sistema não se formou com capela,tendo sido capturado gravitacionalmente por este,podendo assim ser muito mais velho(que o sol inclusive)
como posso afirmar isto?O sistema principal,como bem assinalado acima(matéria)apresenta uma inclinação de 137,2 graus,mas a inclinação do sistema H_L(ou C_D)é de 65 graus.Se tivesse sido formado junto,estariam no mesmo plano,ou próximo.
Dada a pequena massa das estrelinhas,e o quão próximo um planeta deve estar para ser abitado,pouca seria a perturbação,particularmente para a maior.
Teria belas noites iluminadas pelas estrelas grandes,bem menor que a lua cheia,mas muito mais brilhante;um brilho frio.

Flavio Carlos Niewinski Villela Niewinski disse...

Muito Bom,mas uma pergunta fica ainda sem resposta. Kardec não cita que os espiritos vieram de algum lugar,ou outro planeta. Não cita Capela. Emanuel através de Chico tem muitas contradições,com relação a codificação de Alan Kardec.

Thiago Kobayashi disse...

Gente, com todo o respeito, quando falam de alienígenas, as pessoas logo pensam nos discos voadores e aqueles ETs de cabeça grande corpo pequeno... isso não é se interessar por "vidas" fora do planeta, mas buscar em um público específico os seres orgânicos e de semelhança com os humanos. Ilógico, dado a imensidão do universo. Acredito que algum dia, quando disserem "vidas", independente da forma energética que se constitua os corpos, vão associar com a existência do ser e não outra coisa. Existindo vida aqui ou ali, ou em forma de gases, orgãos ou espíritos, o que importaria o tamanho da cabeça, ou se o planeta tem que ser rochoso pra ter vida? Talvez vire xingamento chamar o nosso vizinho de alien! E=mc², tambem quer dizer que a matéria é um estado da energia, então a energia é primária e não a matéria. Segundo a revista espírita, os jupiterianos possuem um corpo muito pouco denso, quase em forma de gases, mas que é muito parecido com a estrutura do homem da terra. Talves, se pudermos ver um jupiteriano, ele seja um homem com certa transparência, mas que talvez emita uma certa luz... tanto faz. É necessário lembrar que toda interpretação que temos se baseia nos únicos sentidos que temos... infra vermelho, ultra violeta, todos são variações perceptíveis, mas segundo os cientista, 80% do que existe no universo, não podemos enxergar.

R C Kfouri disse...

O senhor ou senhora "unkown" - próprio de covardes intelectuais ou senão morais -ao invés d eapelar para a ironia ou o sarcasmo. Apenas me aventurei a colocar alguns fatoe e comentários para o autor do blog. A maioria dos espítas realmente não estuda porra nenhuma com exceção das obras de Kardec. E ainda assim em geral acham os textos difíceis.
Se você estudou alguma coisa na vida além de se aprimorar na dogmática espírita gostaria de saber oh Mr. Unkown. O autor do blog pelo menos teve a coragem de publicar suas idéias de um modo sincero e claro e sem apelações morais idiotas e típicas de um velho metido.